domingo, 23 de julho de 2017

A morte do amor.


O amor nunca morre de morte natural. Morre de cegueira, de erros e de traições. Morre de exaustão, das devastações, da falta de brilho.

Anaïs Nin

Nenhum comentário: